quinta-feira, 10 de maio de 2012

SEE/MG DIVULGA OS RESULTADOS DO PROEB 2011

A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais divulgou nesta semana, os resultados da edição 2011 do Programa de Avaliação da Rede Pública de Educação Básica – PROEB. O programa, integrante do Sistema Mineiro de Avaliação da Educação – SIMAVE, avalia de forma censitária, anualmente, as turmas do 5º e 9º ano do Ensino Fundamental e o 3º ano do Ensino Médio, das escolas públicas (municipais e estaduais), do estado, em Língua Portuguesa e Matemática.

Os resultados podem ser visualizados no link:


Na Superintendência Regional de Ensino de Leopoldina, a Equipe da Diretoria Educacional está analisando os dados das escolas públicas dos dez municípios da nossa jurisdição (Além Paraíba, Argirita, Cataguases, Estrela Dalva, Itamarati de Minas, Leopoldina, Pirapetinga, Recreio, Santo Antônio do Aventureiro, Volta Grande), mas é sempre importante destacar que os dados são públicos, estão disponíveis para todos que interessarem. Família, autoridades, diferentes instâncias e organizações da sociedade e todos os profissionais das escolas podem e devem fazer uma reflexão sobre resultados de avaliação em larga escala como esta.

Numa primeira análise, já nos chama atenção, por exemplo, que o resultado nas turmas do 5º ano do Ensino Fundamental foi aquém do esperado. Essa afirmação leva principalmente em consideração o fato de que esses alunos avaliados no 5º ano em 2011, são os que entraram no Ensino Fundamental em 2007, ano que alavancou o Programa de Intervenção Pedagógica (PIP) nas escolas estaduais, sendo os alunos submetidos ao Programa de Avaliação da Alfabetização (PROALFA), em 2009, quando estavam no 3º ano. Vemos escolas que alcançaram, na avaliação do 3º ano em 2009, 590 na média de proficiência em Língua Portuguesa e chegaram no 5º ano em 2011, com média de 200 de proficiência; escolas que nessa mesma avaliação da alfabetização em 2009 tinham percentuais de mais de 60% dos alunos no nível recomendável, agora em 2011, no 5º ano, tem a maioria de seus alunos entre o nível intermediário e baixo de desempenho.

Nessa reflexão, são várias as interrogações, as possíveis hipóteses, para compreendermos melhor a forma como o percurso escolar vem se desenvolvendo nas escolas. E essa precisa ser uma reflexão coletiva, não de um grupo específico de técnicos educacionais, ou de um único professor de uma única turma, ou só do diretor da escola. Reflexões coletivas levam a movimentos compartilhados para ações mais efetivas, de compromisso entre todos os envolvidos direta e indiretamente com o desenvolvimento qualitativo dos alunos.

3 comentários:

Natania Nogueira disse...

Cláudia, não consegui ver os resultados da minha escola :-(

ANA PAULA disse...

Pois é, ficamos muito tristes diante deste quadro que nos mostra que os nossos alunos estão regredindo com relação às capacidades básicas de leitura e resolução de problemas. Precisamos mesmo refletir sobre o que pode estar acontecendo com relação ao nosso trabalho, que por sinal foi intenso, e o que precisamos fazer para reverter este resultado. Mas, claro,com a consciência de que estamos caminhando... e os tropeços fazem parte das caminhadas...

Anônimo disse...

Olá tudo bem?
Não estou conseguindo acessar os dados do simave... você sabe qual link acessar para ver os dados?
Estou realizando uma pesquisa e preciso.

Obrigada.

Joice